Conheça a história de PitCat Mohamed
SUIPA - 12/5/2015 -SUIPA



No final do mês de março de 2015, a equipe da SUIPA, que fazia um trabalho de assistência aos animais comunitários no PRESÍDIO TALAVERA BRUCE, no Rio de Janeiro, recebeu das mãos das presidiárias um filhote de gato, com cerca de um mês e meio de vida, completamente imóvel e duro, como se estivesse morto. Não conseguia se mexer e engolia com muita dificuldade qualquer alimento. Todo o corpo muito rígido, inclusive as orelhas muito tensas, como se fossem orelhas cortadas, de um pitbull. A equipe foi informada que aquele gatinho havia nascido daquela maneira e a mãe era que tentava limpá-lo e amamentá-lo, mas ele mamava com muita dificuldade e, por isso, estava muito raquítico, pois a gata-mãe havia sumido.


Ao chegar na SUIPA, as funcionárias da ADMINISTRAÇÃO o batizaram de PITCAT, devido às orelhas, mas uma das funcionárias que acabou se tornando uma verdadeira MÃEZONA, disse que ele era um REI e que merecia ter um nome mais "nobre" e foi rebatizado como 'PITCAT MOHAMED'. Os veterinários diagnosticaram um problema neurológico e de nascença, com pouquíssimas chances de um dia se tornar um animal independente........Mesmo assim, as funcionárias da SUIPA começaram a cuidar com muito amor de MOHAMED, todos os dias, dando banhos com água morna e sabão de côco, secando-o com toalha felpuda, cobrindo-o com cobertor, passando pomada contra assaduras, já que ele não conseguia se limpar e nem se levantar, quando urinava e defecava.


Os medicamentos foram prescritos pelos veterinários que o atendiam, mas eles não falavam nada, mas podiamos notar que não havia esperança nos olhares......A cada dia, MOHAMED foi melhorando SUTILMENTE. A alimentação, dada em seringa de 1 ml, começou a ser direcionada com seringa de 3 ml, depois ele começou a lamber, levemente as colheres de ração úmida e , os miados, levemente foram saindo de sua garganta também atrofiada, quando ele sentia vontade de beber água que lhe era oferecido em um copinho de café.


Enquanto uma das MAEZONAS atendia às ligações na ADMINISTRAÇÃO DA SUIPA, MOHAMED dormia, todo enroladinho, junto ao corpo da MAEZONA-MOR. As massagens diárias começaram a ser realizadas, pelas MAEZONAS DE MOHAMED, que também mexiam com as perninhas dianteiras e traseiras dele. As dores eram intensas, porque ele começou a dar miados mais fortes, demonstrando estar sentindo dores nas patinhas.


O tempo foi passando e, um mês após, ele começou a se movimentar, a sentar sozinho, a comer ração seca de filhotes e, com os olhinhos esverdeados e redondos, seguia curiosamente, as MAEZONAS que atendiam às ligações na ADMINISTRAÇÃO DA SUIPA.

No dia do aniversário da SUIPA, 27 de abril, na parte da manhã, MOHAMED deu para todos uma ENORME ALEGRIA: começou a andar, COM MUITA DIFICULDADE, SOZINHO, sobre à mesa da ADMINISTRAÇÃO. Todos ficaram surpresos com a FORÇA DE VONTADE DE QUERER VIVER, DE QUERER SER UM GATO SAUDÁVEL E INDEPENDENTE.


As perninhas e patinhas traseiras, ainda atrofiadas, se mexiam vagarosamente e, a partir desse dia, MOHAMED começou a melhorar cada vez mais! Agora quer até entrar na caixinha higiênica de outros gatos. Ele convive MUITO BEM com os outros irmãos suipanos, que são os cães que vivem na ADMINISTRAÇÃO DA SUIPA. Todos cheiram MOHAMED e todos o respeitam, sabendo que ele é um filhote que está lutando a cada minuto.


A história de PITCAT MOHAMED não irá parar por aqui. Outros vídeos serão realizados quando ele estiver maior e, certamente, bem mais independente de todos nós, animais humanos.


Aqui fica a nossa pergunta suipana:


MELHOR MATAR, FAZENDO A FAMOSA 'EUTANÁSIA' QUANDO ACHAMOS QUE NÃO EXISTE LUZ NO FINAL DO TÚNEL, COMO O CASO DE 'PITCAT MOHAMED', OU MELHOR LUTAR, PARA SALVAR VIDAS INDEFESAS, QUE DEMONSTRAM QUERER SOBREVIVER?

 

Imagens - clique para ampliar

                             
Assista o vídeo

PITCAT MOHAMED
"Quando o homem aprender a respeitar até o menor ser da criação, seja animal ou vegetal,
ninguém precisará ensiná-lo a amar seu semelhante."

Albert Schweitzer (Nobel da Paz de 1952)
topo