SUIPA

LOCALIZAÇÃO
Av. Dom Hélder Câmara, 1801 - Benfica
Cep: 20973-011 - Rio de Janeiro - RJ
(antiga Av. Suburbana, próximo ao Jacarezinho e ao Metrô Maria da Graça).

*A SUIPA não possui estacionamento.
Ver localização

Horários de atendimentos

Para os devidos fins de cumprimento legal, fica proibida a entrada na SUIPA de animais sem focinheira e guias de enforcador, conforme dita a LEI Nº 4.597, DE 16 DE SETEMBRO DE 2005

Não funcionamos Domingos e feriados

Assistência Veterinária

Tel: 21 3297-8750

Consultas e demais serviços
(com limitação de senha):

08:30hs às 13:00hs - Segunda a Sexta
08:30 ao 12:00 - Sábados

Revisões:
(Com limitação de senha):
08:30 às 13:00hs - Segunda a Sexta
08:30 às 10hs - Sábados

Radiologia (raio-x)
(Com limitação de senha):

8:30 às 13:00hs - Segunda a Sábado

Ultra-sonografia
(Com limitação de senha):

10:00 às 16:00hs - Segunda,
08:30 às 14:30hs - Quarta, Sexta e Sábado

Cardiologia
(Com limitação de senha):

8:30 às 14:30hs - Segunda,Terça e Quinta
10:00 às 16:00hs - Quarta.


Agendamento de esterilizações
Segunda a sexta - 08:00 as 13:00 
Tel: (21)3297-8766

 

Atendimento administrativo:
Segunda a Sexta - 8:00 às 18:00
Sábado - 8:00hs às 12:00hs
Tel: (21)3297-8777


Setor de Adoção
Segunda a Sexta - 8:00 às 15:00 
Sábado - 8:00hs às 12:00hs
Tel: (21)3297-8775

A SUIPA
Como tudo começou

A SUIPA foi inaugurada em 27 de abril de 1943. Inicialmente, chamava-se Sociedade União Infantil Protetora dos Animais. Isto porque os protetores que formaram esta Sociedade contavam com a ajuda de seus filhos no tratamento dos cães doentes que eram recolhidos das ruas. Os animais eram atendidos em um pequeno barracão localizado na antiga Avenida Castelo Branco que passou a chamar-se Avenida Suburbana. Atualmente, a conhecemos como Avenida Dom Hélder Câmara. Naquela época, a região era rural e desprovida de qualquer recurso. Com o passar dos anos, muitas famílias se instalaram nas proximidades da SUIPA. Surgiram, então, as comunidades do Jacarezinho e de Manguinhos com mais de 300 mil moradores, como podemos observar nos dias de hoje.

No final dos anos 50, as crianças deixaram de participar do atendimento aos animais resgatados e os novos diretores cadastraram a SUIPA como Sociedade União Internacional Protetora dos Animais. Nesta fase, intelectuais como: Carlos Drummond de Andrade, Nise da Silveira, Roberto Marinho, Paschoal Carlos Magno, Rachel de Queiroz e outros célebres e amantes da causa animal se tornaram associados, alguns deles diretores e outros conselheiros.

Participavam de assembléias e reivindicavam junto às autoridades o cumprimento do Decreto-Lei nº 24.645 (julho/1934), assinado pelo então Presidente Getúlio Vargas. E os protetores suipanos tornaram-se, com o passar do tempo, cada vez mais atuantes. Tartarugas foram retiradas de restaurantes, as portas das carrocinhas abertas para a fuga em massa de cães capturados pela Prefeitura e que teriam a morte como destino final, lutas foram travadas em favor de um santuário para baleias no Sul do Brasil, cavalos maltratados foram libertos da violência e covardia de charreteiros, aves silvestres foram recolhidas de locais inadequados, entre outras inúmeras ações. Sem contar, é claro, com as cartas escritas para presidentes e governantes brasileiros e estrangeiros, sempre em defesa de todas as espécies de animais.

Com mais de 70 anos de existência, a SUIPA permanece viva, como uma entidade particular, não eutanásica, sem fins lucrativos, e de utilidade pública. Além do abrigo, a SUIPA mantém em sua sede uma Assistência Veterinária, com preços populares, para que todas as pessoas possam cuidar de seus animais de estimação, de segunda a domingo e também nos feriados. A receita arrecadada, na Assistência Veterinária, é direcionada para cobrir diversas despesas da Entidade.

"Quando o homem aprender a respeitar até o menor ser da criação, seja animal ou vegetal,
ninguém precisará ensiná-lo a amar seu semelhante."

Albert Schweitzer (Nobel da Paz de 1952)
topo